Tuesday, 30 de November de 2021

ANTAQ: Portos crescem 9,4% em movimentação de cargas no primeiro semestre

Antaq revela dados de movimentação de cargas nos portos brasileiros

Painel estatístico da Antaq mostra crescimento dos portos na movimentação de cargas, e um dos maiores destaques é o de Vitória – ES.

De acordo com a divulgação feita pela Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) nessa última quarta-feira, (11), houve um aumento na movimentação de cargas esse ano. Quando comparado o primeiro semestre de 2021, com o de 2020, será perceptível verificar que o setor portuário cresceu cerca de 9,4%. Para quem quiser consultar, tais informações já estão disponíveis no painel Estatístico Aquaviário da Antaq.

Continua Depois da Publicidade

De acordo com os dados divulgados no painel, no decorrer desse período citado, foram movimentados 591,9 milhões de toneladas. Tudo isso graças aos terminais arrendados e autorizados, bem como, os portos organizados.

Leia outras notícias:

Para a Antaq, quais mudanças ajudaram os portos a superar expectativas?

Conforme os dados estatísticos presentes no painel, o crescimento ocorreu em determinados perfis de carga. Principalmente em comparação ao mesmo período do ano anterior. Os contêineres tiveram um aumento de 16,3%, enquanto o granel líquido obteve 11,6% a mais que 2020. O maior crescimento foi marcado pela carga geral solta, que conseguiu perfazer um total de 19,1%.

Já o perfil de carga que apresentou um diferencial e foi de suma importância para o resultado final, foi o granel sólido, obtendo uma porcentagem de 6,4%. Mesmo com essa porcentagem, o granel sólido conseguiu movimentar no decorrer do primeiro semestre, 343,2 milhões de toneladas. Corroborando 58% do total que fora obtido. Outro que também merece destaque é o minério de ferro.

Segundo os dados presentes no painel da Antaq, o minério de ferro obteve ótimos números se comparados com o primeiro semestre de 2020. Dessa forma, o seu crescimento corresponde a 12% do total, onde forma movimentadas, 171,8 milhões de toneladas. Já em relação ao petróleo, esse conseguiu gerar 8% do total, movimentando no final, 97,2 milhões de toneladas.

Em relação ao perfil de carga, os contêineres foram responsáveis por 11% do total e no final, geraram 65,4 milhões de toneladas. As cargas em geral foram responsáveis por 29,7 milhões de toneladas, sendo esse valor correspondente à 5% de um total dentre todas as cargas. Para finalizar, veio o granel líquido, responsável por movimentar um total incrível de 153,5 milhões de toneladas, ou seja, em porcentagem, esse valor corresponde à 28% da carga.

Quais são as próximas previsões da Antaq para os portos?

Quando observamos o painel disponibilizado online, é possível ter acesso a inúmeras informações, dentre elas, quais foram os portos que mais se destacaram para que essa conquista fosse possível. Dessa forma, o que merece destaque pelo desenvolvimento é o porto de Vitória, no Espírito Santo. Sozinho, conseguiu 3,7 milhões de toneladas de cargas e crescer em 30,6% ao longo do primeiro semestre de 2021.

Caso esses avanços permaneçam no decorrer do segundo semestre, o esperado pela Antaq é que os portos brasileiros passem a movimentar um total de 626 milhões de toneladas. Até o final do ano, espera-se que o setor tenha um aumento de 5,5% em relação ao mesmo período do ano passado. Assim, o esperado é que sejam movimentados, 1,218 bilhão de toneladas

Para Flávia Takafashi, diretora da Agência, “os números positivos só comprovam o quanto o setor é forte, é resiliente, mesmo em um cenário ainda de pandemia”. Dessa forma, mesmo perante a um cenário que todos os dias parece não ter um fim, alguns setores no Brasil vêm se saindo bem em relação a outros.

Os brasileiros que possuem interesse em acompanhar o desenvolvimento dos portos, todos os dados são disponibilizados pela Antaq no painel estatístico. Quando questionado sobre a importância da disponibilização desses dados, Adalberto Tokarski, diretor da Agência, fala que “é uma ferramenta fundamental para que possamos oferecer à sociedade números atualizados e acompanhar mês a mês como está o desempenho do setor”

Ruth Rodrigues
Formada em Ciências Biológicas pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), atua como redatora e divulgadora científica.