1. Início
  2. / Notícias
  3. / Parques eólicos offshore serão abertos no Porto do Açu em novo projeto da Prumo
Tempo de leitura 3 min de leitura

Parques eólicos offshore serão abertos no Porto do Açu em novo projeto da Prumo

Escrito por Ruth Rodrigues
Publicado em 12/08/2021 às 09:38
Construção de novos parques eólicos offshore em Porto do Açu
Construção de novos parques eólicos offshore em Porto do Açu terá início em breve. Fonte: Pixabay

Para desenvolver esse novo projeto de parques eólicos offshore, o grupo Prumo deu início a um processo de licenciamento ambiental junto ao Ibama.

O intuito da empresa é a construção de Complexo Eólico Marinho Ventos do Açu. No projeto inicial, a expectativa é de que a potência desses parques eólicos offshore possua cerca de 2,16 GW. Para atingir essa potência, o Complexo será composto por 144 aerogeradores de 12 a 15 MW. A Prumo Logística é uma das empresas mais conceituadas no mercado. com essa nova construção, espera-se que novos empregos sejam gerados no Porto de Açu.

Tal empresa é fruto de uma parceria entre o fundo americano EIG Global Energy Partners e a Mubadala Investment Company. O novo projeto está saindo do papel e na última sexta-feira, (6), conseguiu dar um passo importante: o licenciamento ambiental para que as obras possam ter início.

Você pode gostar:

Como será a construção desses parques eólicos offshore em Porto do Açu?

O novo projeto da Prumo denominado Complexo Eólico Marinho Ventos do Açu será dividido em 4 em parques eólicos offshore (PEO). Ventos do Açu 1, Ventos do Açu 2, Ventos do Açu 3 e Ventos do Açu 4. Em cada um desses parques serão instalados 36 aerogeradores, de modo que a potência final em cada PEO, seja equivalente à 540 MW.

Para Mauro Andrade, Diretor Executivo de Desenvolvimento de Negócios da Prumo, “Ventos do Açu é a materialização de um dos nossos objetivos estratégicos: acelerar o desenvolvimento de negócios com foco na transição para uma economia de baixo carbono. O Porto do Açu está localizado próximo a uma das três melhores regiões do país em incidência de ventos offshore, com velocidade média de até 9 m/s. Além disso, possui infraestrutura portuária operacional única no país para apoiar a instalação e operação de projetos eólicos marinhos, além de áreas propícias para a instalação de bases de produção e manutenção de peças e equipamentos. As características que fazem do Açu a principal base logística para as atividades de O&G offshore são as mesmas que ajudarão a impulsionar o desenvolvimento de parques eólicos marinhos no Sudeste.”

Além da área onde os 4 parques eólicos offshore estarão instalados, a empresa pretende também estudar um pouco mais o local, para verificar a viabilidade de cabos submarinos de exportação de energia e transição terra-mar.

Onde o Complexo Eólico Marinho Ventos do Açu está localizado?

Sua construção será feita no norte fluminense. Como estamos falando de parques eólicos offshore com turbinas enormes, o ideal e mais seguro, é que ele esteja localizado a uma distância mínima de 20 km e máxima de 54 km da costa nos municípios em que estarão situados, sendo eles, Campos dos Goytacazes e São João da Barra.

O Complexo será construído há uma profundidade que varia conforme os PEO, no entanto, ficará variando entre 14 a 67 metros. Para que toda a construção ocorra nos conformes, já foi verificado se o calado e capacidade no Porto do Açu seriam adequadas ou não para receber esse novo projeto. Como tudo está dentro dos conformes, resta esperar o protocolo do IBAMA.

O documento em questão trata-se da Ficha de Caracterização da Atividade – FCA, e fora protocolada no órgão na última sexta-feira, (6). Esse é somente um dos primeiros passos para que o projeto de parques eólicos offshore saiam do papel. O próximo passo a ser feito é um estudo sobre o impacto ambiental que essa construção poderá gerar. Mas, como essa é uma atividade recorrente no Brasil, espera-se que não leve mais que 18 a 24 meses para obter junto ao IBAMA.

Ruth Rodrigues

Formada em Ciências Biológicas pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), atua como redatora e divulgadora científica.

Compartilhar em aplicativos