Thursday, 21 de October de 2021

Representantes da Nova Ferroeste visitam os Portos do Paraná para verificar projetos locais

Porto de Paranaguá e Antonina possuem projetos que irão alavancar a economia, deixando os Portos do Paraná em evidência após implantação da Nova Ferroeste

Porto de Paranaguá e Antonina possuem projetos em andamento, que em conjunto com demais setores, irão alavancar a economia do Estado, deixando os Portos do Paraná em evidência após implantação da Nova Ferroeste

Durante a última sexta-feira, 10, representantes da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e dos ministérios da Infraestrutura (Minfra) e Economia visitaram a sede onde está localizada a administração do Porto de Paranaguá. A visita teve por objetivo, conhecer quais são as obras e projetos que estão em andamento nos portos do Paraná (Paranaguá e Antonina). Além dos representantes, quem também estava presente na visita era o Grupo de Trabalho do Plano Estadual Ferroviário (GT Ferrovias), da Nova Ferroeste.

Continua Depois da Publicidade

Leia outras notícias interessantes:

Qual a finalidade das visitas realizadas nos Portos do Paraná e na sede Porto de Paranaguá?

A princípio, a visita faz parte de uma importante agenda, que por meio de estudos preliminares, busca qual seria a viabilidade da implantação da Nova Ferroeste (EF-277), que fora qualificado pelo Programa de Parcerias (PPI) através do Decreto nº 10.487/2020. Para Luiz Fernando Garcia, diretor-presidente dos Portos do Paraná, as visitas são realizadas constantemente, para verificar se os projetos realmente estão sendo encaminhado nos conformes previstos.

Para ele, “com os investimentos projetados com as licitações de áreas e o projeto do Moegão, o Porto de Paranaguá terá condição plena de atender toda a demanda projetada pela Nova Ferroeste”. A partir dos estudos realizados, a expectativa é que, somente no decorrer do primeiro ano de concessão, a demanda chegue a 38 milhões de toneladas.

A comitiva nacional visitou a sede administrativa da administração dos portos de Paranaguá e Antonina com o Grupo de Trabalho do Plano Estadual Ferroviário (GT Ferrovias). Fonte: Claudio Neves
A comitiva nacional visitou a sede administrativa da administração dos portos de Paranaguá e Antonina com o Grupo de Trabalho do Plano Estadual Ferroviário (GT Ferrovias). Fonte: Claudio Neves

Durante a visitação, diversos projetos foram apresentados, dentre eles:

  • projetos de modernização e ampliação do Corredor Leste de Exportação do Porto de Paranaguá
  • planejamento que visa a ampliação da capacidade de descarga ferroviária em uma moega exclusiva para atender o modal (Projeto do Moegão)
  • projeto de obras de infraestrutura marítima, como a derrocagem de parte da Pedra da Palangana em andamento no Canal de Acesso

Além do diretor-presidente, quem também se mostrou bastante realizado com os projetos que estão e serão desenvolvidos nos Portos de Paranaguá e Antonina, foi o coordenador do Grupo de Trabalho do Plano Estadual Ferroviário, Luiz Henrique Fagundes. Para ele, A Nova Ferroeste será de suma importância para a logística do Paraná. Dessa forma, não faltará trem para o porto, de modo que não faltará porto para que a demanda futura seja atendida.

Nova Ferroeste e os benefícios gerados com a implementação do corredor de exportações

A visita técnica foi realizada com intuito de verificar se o planejamento inicial traçado, realmente está sendo bem executado. A expectativa é que o investimento feito com reformas e ampliação da Ferroeste, chegue a R$ 33,4 bilhões. Entre os planos traçados, a melhor opção foi dividir em seis lotes. Dessa forma, a ferrovia deverá possuir 1.304 quilômetros de extensão, onde ligará Maracaju, no Mato Grosso do Sul, ao Porto de Paranaguá.

Alguns trechos já existentes, como é o caso de Cascavel e Guarapuava, esses serão modernizados, para que a segurança seja maior e os motoristas se sintam mais seguros ao optar cruzar por esse caminho. Com a Nova Ferroeste, a movimentação de cargas também será beneficiada, onde estima-se que, somente com o primeiro ano de concessão, sejam geradas 38 milhões de toneladas. Até o final do período, essa cota sofrerá um aumento de 123,7%, chegando a perfazer 85 milhões de toneladas.

Portanto, a implementação da Nova Ferroeste é de suma importância para o setor portuário. Com esse corredor de exportação sendo criado entre Paraná e Mato Grosso do Sul, a movimentação de cargas no portos poderá bater recordes futuros.

Para Marta Seiller, secretária especial do Programa de Parcerias e Investimentos (PPI) do Ministério da Economia, “criar mais ferrovias para escoar as safras significa reduzir o custo de frete e aumentar a competitividade. Nosso país ainda é muito dependente do transporte rodoviário. Por isso, temos que trazer viabilidade em termos de receita para que a nova ferrovia se torne uma realidade e gere muitos empregos para a região”.

Importância dos Portos de Paranaguá e Antonina para o setor produtivo

Atualmente, o estado do Paraná consegue fornecer alimento para diversos países, tornando-se essencial nesse setor. Dessa forma, os projetos que estão em andamento nos Portos do Paraná são de suma importância para o futuro dos empreendimentos. Com tais investimentos sendo realizados, não será somente o setor portuário a se beneficiar com os resultados futuros, mas sim, o agronegócio do Estado.

Entretanto, para que todos os setores estejam interligados, é necessário planejamento. Portanto, à medida que os investimentos sejam realizados, a curto, médio e longo prazo, estejam alinhados com os demais setores. Assim, as demandas crescentes nos portos e demais locais, possam ser atendidas, paralelamente.

As obras e projetos em desenvolvimento nos portos do Paraná foram apresentados, nesta sexta-feira (10), para representantes da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e ministérios da Infraestrutura (Minfra) e Economia. Fonte: Claudio Neves
As obras e projetos em desenvolvimento nos portos do Paraná foram apresentados, nesta sexta-feira (10), para representantes da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e ministérios da Infraestrutura (Minfra) e Economia. Fonte: Claudio Neves

Durante a reunião realizada na administração do Porto de Paranaguá estavam presentes: André Gonçalves (diretor-presidente da Ferroeste), Leonardo Maciel (secretário de Parcerias em Transportes do Programa de Parcerias de Investimentos do Ministério da Economia (SEPPI/ME), Juliano Rodrigues (assessor especial do GTFerrovias), Juliana Ribeiro da Rocha Dória (coordenadora-geral de Licenciamento Ambiental da Subsecretaria de Sustentabilidade do Ministério da Infraestrutura e Marcello da Costa Vieira (secretário nacional de Transporte Terrestres da ANTT).

Ruth Rodrigues
Formada em Ciências Biológicas pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), atua como redatora e divulgadora científica.