Tuesday, 30 de November de 2021

Docas do Rio é destaque nacional com Porto do Rio de Janeiro e Porto de Itaguaí no ranking da Antaq entre os 10 portos que mais movimentaram cargas

Docas do Rio é destaque nacional por rankear o porto do rio de janeiro e o porto de Itaguaí em listagem da Antaq

Ocupando duas posições no ranking da Antaq, Docas do Rio é destaque a nível nacional no primeiro semestre de 2021

Nesta sexta-feira, (20), a Companhia Docas do Rio de Janeiro (CDRJ) conseguiu inserir dois portos, sendo eles os maiores administrados pela companhia, na listagem dos 10 principais portos públicos que foram destaque no Brasil em 2021. Além do Porto do Rio de Janeiro e Porto de Itaguaí, a CDRJ possui mais outros dois portos que estão sob a sua gestão, sendo eles: o de Niterói e o de Angra dos Reis. Dessa forma, quando somados os 4 portos, a Docas do Rio possui o 2º maior complexo portuário de iniciativa pública. E quanto a sua movimentação de cargas, a companhia fica em 2º lugar, de acordo com o painel Estatístico Aquaviário da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq).

Continua Depois da Publicidade

Confira mais notícias:

Segundo a Antaq, qual o crescimento do Porto de Itaguaí e do Porto do Rio de Janeiro que deu bons lucros para a Docas do Rio?

Conforme os dados disponibilizados no painel, o Porto Itaguaí ocupa atualmente, o 3º lugar dentre o ranking com os 10 portos públicos que mais movimentaram no decorrer de 2021. Dessa forma, somente na metade do não, o porto conseguiu crescer em 28,87%, se comparado com o mesmo período do ano passado. Mesmo ocupando essa posição, a movimentação de cargas chegou a perfazer quase 26 milhões de toneladas.

Já em relação ao Porto do Rio de Janeiro, também liderado pela Companhia Docas do Rio, esse está ocupando o 10º lugar entre os dez portos de maiores destaque no Brasil. Dessa forma, a fase em que se encontra esse porto é de constante crescimento, afinal, somente no primeiro semestre de 2021, ele conseguiu atingir a marca de 5 milhões toneladas em cargas movimentadas. Registrando assim, o aumento de 33,46% e mostrando que, até o final do ano, tem grandes chances de subir algumas posições no ranking da Antaq.

Quais as principais cargas movimentadas nos portos?

Em relação as cargas movimentadas, o Porto de Itaguaí conseguiu movimentar nesse período de tempo, 22,5 toneladas de minério de ferro. Com esse valor obtido, a CDRJ consegue aumentar em 30% a sua movimentação somente nesse produto, quando comparado com dados anteriores. Quanto ao perfil de carga, ouve também um aumento na movimentação de cargas conteinerizadas, perfazendo um total de 20,37%.

Já o Porto do Rio de Janeiro, o destaque é bastante nítido se comparado com o mesmo período do ano passado. Nos primeiros meses de 2021, houve um aumento de 25,86% na movimentação de carga conteinerizada. É válido ressaltar também que, um outro perfil de carga que aumentou bastante sua movimentação, em 62%, foi o de granel sólido.

Docas do Rio e um trabalho em constante expansão

Quando o trabalho é realizado em conjunto com uma boa equipe, ele se torna bem feito. Portanto, os resultados de um bom trabalho e uma boa administração estão sendo mostrados agora. O crescimento da empresa, recebendo esse destaque nacional ao colocar 2 de seus maiores portos entre os 10 melhores e mais vantajosos para a economia do Brasil, é fruto de um grande trabalho.

“Esse resultado é reflexo do trabalho da equipe da Docas do Rio e de todos os parceiros da cadeia logística de comércio exterior, que vêm atuando no objetivo comum de incrementar a movimentação de cargas e a tendência é de um excelente desempenho também neste segundo semestre”, revela Francisco Antonio de Magalhães Laranjeira, diretor-presidente da Docas do Rio.

A importância não é relevante somente para território nacional, mas sim, para o exterior. Afinal, quanto melhor o trabalho for realizado, mais contratos serão fechados e mais cargas serão movimentadas. Fazendo o Porto do Rio de Janeiro e o Porto de Itaguaí subirem de posição no ranking da Antaq.

Ruth Rodrigues
Formada em Ciências Biológicas pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), atua como redatora e divulgadora científica.