Início Veleiro de madeira é a nova aposta das empresas de transporte e devem substituir os navios de carga

Veleiro de madeira é a nova aposta das empresas de transporte e devem substituir os navios de carga

agosto 25, 2022 às 3:22 pm
Compartilhe
Siga-nos no Google News
Veleiro de madeira
Veleiro de madeira (Reprodução: divulgação)

A indústria de transporte de cargas marítimas decidiu retomar uma velha decisão da humanidade: usar o famoso veleiro de madeira para suas atividades. Neste sentido, diversas empresas decidiram migrar dos navios de caga, mais caros e dependentes dos combustíveis, para voltar com esse clássico modelo de locomoção.

Em uma reportagem feita pelo Insider, a estratégia foi adotada devido à guerra na Ucrânia, e também foi escolhida devido à Rússia ter sido responsável pelo aumento nos preços do gás natural e do petróleo, gerando impacto no setor, que está interessado em aderir a novas soluções mais sustentáveis. Como exemplo, temos a Café William, uma grande empresa de comércio de café, que afirmou pagar cerca de 10 centavos de dólar para enviar meio quilo do grão em um navio de carga tradicional.

Dessa forma, Serge Picard, dono da Café William, contou que o conflito impactou o mercado, e aumentou drasticamente o preço dos transportes. Por isso, é mais caro e leva mais tempo enviar o material por um navio de contêiner, logo, o veleiro de madeira surgiu como uma opção interessante. Para solucionar o problema, a Café Willian fechou parceria com a Sail Cargo para transportar suas mercadorias. Atualmente, a empresa usa dois navios sustentáveis em sua frota, porém, muito mais modernos que os veleiros de madeira antigos.

Artigos recomendados

Um deles foi intitulado ‘Ceiba’, e possui três velas e um motor elétrico que pode ser carregado com painéis solares da embarcação, ou pela energia advinda pela hélice do navio durante seus trajetos. O veleiro de madeira consegue transportar até 250 toneladas de carga e está prestes a começar sua atuação em 2023, conforme a empresa. Sendo assim, o construtor de barcos, Julian Southcott, mencionou que os navios a vela possuem um design fantástico, que remonta aos tempos antigos. Por isso, novas tecnologias podem unificar esse estilo clássico de embarcação com o design e eficiência dos dias atuais.

Nos últimos meses, um levantamento feito pela S&P Global Platts Analytics revelou que o transporte marítimo é responsável por 3% das emissões mundiais de CO2, ou seja, a mudança também é uma excelente notícia para o meio ambiente. Agora, resta a dúvida se os demais setores da indústria também irão adotar a ideia, ou se a novidade é passageiro, devido a guerra.

Veleiro de madeira britânico é o primeiro a gerar hidrogênio verde no mar

A empresa britânica Drift Energy anunciou os primeiros testes com o veleiro de mar hidrofolio, e afirmam que é possível produzir hidrogênio verde no mar. Conforme a empresa, esse é o primeiro barco do mundo que consegue gerar hidrogênio verde armazenado no ar usando somente a força do vento.

Os testes com a embarcação ocorreram na costa de Brightlingsea, situada em Essex, no Reino Unido, no último mês de julho. Durante a navegação, a embarcação conseguiu produzir cerca de 6 litros de hidrogênio verde em apenas duas horas, o que foi além das expectativas da empresa. A embarcação é um veleiro de madeira que possui mais de dois metros, construído pela White Formula of Brightlingsea, uma famosa construtora de barcos de terceira geração que já produziu veleiros para diversas equipes olímpicas. 

O veleiro de madeira construído pode atingir 25 nós, cerca de 47 km/h, e ainda possui uma hélice submarino que aciona a turbina,  gerando eletricidade. Posteriormente, a hélice é utilizada para dividir a água em hidrogênio e oxigênio. Por trás da nova tecnologia, temos um algoritmo de inteligência artificial que usa dados para encontrar condições climáticas adequadas para direcionar os veleiros no mar. Basicamente, a tecnologia encontra os “Goldilocks” das zonas de vente onde a brisa é ideal para maximizar a eficiência da embarcação.

Curtiu? Apoie nosso trabalho seguindo nossas redes sociais. Não esqueça de comentar e compartilhar.
Facebook Facebook
Twitter Twitter
LinkedIn LinkedIn
Google News Google News

Relacionados
Mais recentes