Wednesday, 26 de January de 2022

Especialistas afirmam que setor portuário precisa de investimentos, apesar do alto crescimento

O setor portuário é um dos que mais rendem capital ao Brasil e, apesar do crescimento recente, são necessários mais investimentos e estrutura

O setor portuário é um dos que mais rendem capital ao Brasil e, apesar do crescimento recente, especialistas comentam que são necessários investimentos e mais estrutura

A preocupação com o rendimento do PIB (Produto Interno Bruto) de um país é dever de qualquer governo que se preze e, se tratando do Brasil, o setor portuário é um dos que mais rende, com um crescimento considerável recentemente. Entretanto, na última quarta-feira, (27/10), alguns especialistas comentaram que o setor necessita de mais investimentos, principalmente se tratando da estrutura dos portos. 

Continua Depois da Publicidade

Leia também:

Investimentos no setor portuário podem alavancar a economia do Brasil, segundo especialistas

Atualmente, o setor marítimo é o responsável pela maior parte do recebimento de cargas e exportação no Brasil, somando cerca de 95%, o que, consequentemente, implica em uma circulação de capital altíssima. Entretanto, a estrutura dos portos do país deixam a desejar e o setor portuário é um dos mais sucateados, principalmente em relação aos complexos portuários públicos, os quais necessitam de mais investimentos urgentemente, segundo especialistas. 

O secretário Nacional de Portos e Transportes Aquaviários, Diogo Piloni, comentou sobre a necessidade do setor portuário no país e afirmou que “Mais de 80% do PIB brasileiro está concentrado em estados que têm limites com a costa do Brasil, se aproveitando dessa grande costa para o transporte de cabotagem, então, para distribuição de produtos dentro do Brasil, os portos são muito importantes”, ou seja, o potencial para lucros relacionados aos portos no país é altíssimo, basta apenas a vontade de colocar investimentos nesse setor para que isso aconteça. 

Para se ter uma ideia da tamanha importância desse setor no capital brasileiro, a Agência Nacional de Portos e Transportes Aquaviários (ANTAQ) informou que o setor portuário circulou cerca de 809,8 milhões de toneladas de cargas somente entre janeiro e agosto deste ano, o que equivale a 7,5% a mais, se comparados com o que foi movimentado no mesmo período no ano de 2020. Entretanto, apenas 34% passaram por portos públicos, em razão da necessidade de investimentos na estrutura desses locais. 

Porto de Santos é a prova de que o setor portuário tem alto potencial, mas necessita de investimentos em estrutura

O potencial desse setor no Brasil é altíssimo e o Porto de Santos é uma prova disso, uma vez que ele é o maior complexo de portos de toda a América Latina, além de ser o que mais movimenta cargas de alto valor agregado para o país. A capacidade do complexo portuário de Santos é tão magnífica que o local é, sozinho, responsável por cerca de 30% da circulação de comércio internacional no país. Assim, é visível a importância desse setor no Brasil e fica mais claro a necessidade de investimentos em estrutura para potencializar esses ganhos.

O consultor em infraestrutura, Adalberto Vasconselos, comentou sobre a capacidade do Brasil em ser um grande competidor internacional no setor portuário, mas que são necessários investimentos para isso, e afirmou também que “em termos de movimentação portuária, a gente representa apenas cerca de 1,2% das exportações. Tem que adotar medidas para tornar esses espaços dentro dos portos públicos mais atrativos, diminuir dos navios parados e das operações para que os nossos produtos cheguem lá fora muito mais competitivos”

Mesmo com todos esses obstáculos em relação à estrutura dos portos no Brasil, o setor portuário cresceu cerca de 4% em relação ao ano anterior, de acordo com o Ministério da Infraestrutura e a previsão é de que o crescimento chegue a 8% até o final do ano de 2021, o que mostra ainda mais o potencial do país nessa área.

Ruth Rodrigues
Formada em Ciências Biológicas pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), atua como redatora e divulgadora científica.