MENU
Notícias
Menu
Início Empresas interessadas na privatização dos portos brasileiros temem riscos nos acordos

Empresas interessadas na privatização dos portos brasileiros temem riscos nos acordos

fevereiro 17, 2022 às 11:35 am
Compartilhe
Siga-nos no Google News
Algumas empresas que estão interessadas nos leilões de privatização dos portos brasileiros, como a Codesa e o Porto de Santos, estão avaliando os riscos dentro desse processo para o futuro
Algumas empresas que estão interessadas nos leilões de privatização dos portos brasileiros, como a Codesa e o Porto de Santos, estão avaliando os riscos dentro desse processo para o futuro. Fonte: Divulgação

Algumas empresas que estão interessadas nos leilões de privatização dos portos brasileiros, como a Codesa e o Porto de Santos, estão avaliando os riscos dentro desse processo para o futuro

O Governo Federal, por meio do Ministério da Infraestrutura, está cada vez mais investido no processo de privatização dos portos brasileiros em 2022. No entanto, para essa quinta-feira, (17/02), o que se vê é um clima de incertezas dentro do segmento, uma vez que as empresas interessadas nos leilões da Codesa e do Porto de Santos estão reavaliando os riscos e a modelagem do acordo de desestatização.

Confira outras notícias do setor:

Privatização dos portos brasileiros ainda conta com algumas incertezas para as empresas interessadas no processo 

O ano de 2021 foi marcado por um grande avanço do Ministério da Infraestrutura no processo de desestatização dos portos brasileiros, com diversos editais sendo desenvolvidos para acelerar a privatização dos locais. Assim, o Governo Federal pretende seguir com o processo e finalizar algumas privatizações ainda no ano de 2022, como a Companhia Docas do Espírito Santo (Codesa), um dos complexos mais procurados para a desestatização no mercado nacional atualmente.

Apesar desse grande movimento do governo brasileiro, as empresas que estavam interessadas no leilão de privatização da Codesa e do Porto de Santos estão atualmente reavaliando os riscos que existem no processo e debatendo acerca da frágil modelagem do acordo que é vista no Brasil atualmente. Entre as companhias que estão com essas incertezas, estão a Rumo, Vinci Partners, além de operadores internacionais, apurou o Broadcast com fontes próximas às empresas. Assim, a discussão sobre qual seria a real segurança e a lucratividade desse negócio para o futuro das companhias está cada vez maior. 

Os portos brasileiros são destaque no mercado global em relação à movimentação de carga e ao grande número de operações que ocorrem diariamente. No entanto, essas empresas ainda estão com dúvidas em relação à modelagem atual do acordo de privatização e ainda sobram dúvidas se o governo será capaz de quantificar, com assertividade, os numerosos passivos acumulados em décadas de administração pública. Apesar do grande esforço do governo em buscar novos incentivos e investimentos para os portos nacionais, as empresas ainda estão inseguras quanto à responsabilidade do Brasil em relação à produtividade nos portos. 

Codesa e Porto de Santos são os os complexos que mais trazem insegurança às companhias interessadas nos leilões 

Entre os leilões que serão realizados, o da Codesa tem como objetivo ser o maior dos portos brasileiros, estando previsto para o fim de março e incluindo os portos de Vitória e Barra do Riacho, em um contrato de 35 anos. Estão previstos investimentos diretos de R$ 1,3 bilhão, além do valor da outorga. Com isso, ainda restam muitas dúvidas quanto ao compromisso nacional sobre esses portos e a Rumo estaria reavaliando sua posição diante dos riscos de modelagem do contrato. 

Além disso, a Vinci Partners, um grande grupo de infraestrutura e galpões logísticos, também está avaliando o leilão da Codesa, mas ainda não há uma decisão formada sobre essa participação. Já o Porto de Santos conta com complexidade inerente ao processo de privatização, já que considerado um dos maiores do Hemisfério Sul e conta com forças que trazem incerteza aos investidores, tais quais os  terminais privatizados (arrendados) ao longo dos últimos anos, sindicatos, fornecedores, empresas de logística e inúmeras forças políticas.

Assim, a fonte próxima às empresas afirmou que ainda existem bastante lacunas dentro desse investimento e que precisam ser reparadas antes da decisão final, afirmando que “Há muitas dúvidas no mercado se o Porto de Santos será mesmo privatizado, diante da sua complexidade. Os investidores também querem saber como serão encarados os problemas de compliance”.

Curtiu? Apoie nosso trabalho seguindo nossas redes sociais. Não esqueça de comentar e compartilhar.
Facebook Facebook
Twitter Twitter
LinkedIn LinkedIn
Google News Google News

Relacionados
Mais recentes